Search

Tecnologia e medicina devem andar juntas

Updated: Jul 14

O desenvolvimento das inovações tecnológicas atualmente caminha para simplificar e facilitar a relação médico-paciente

Atualmente vivemos em tempos de mudanças na relação médico-paciente. Muitas vezes, consultas são mecânicas e frias, cada vez mais breves e despersonalizadas, onde o contato olho-no-olho pouco ocorre. Apesar dos médicos terem a sua disposição cada vez mais recursos, as requisições burocráticas ocupam o precioso tempo que deveria ser gasto com uma atenção mais humana.


Ao contrário do que poderíamos pensar, o desenvolvimento das inovações tecnológicas atualmente caminha para simplificar e facilitar a relação médico-paciente. Assim, vemos processadores de linguagem gravando e organizando a consulta em forma de prontuário, e já fornecendo conexões com a literatura correlata para facilitar a avaliação médica.


Algoritmos de “deep-learning”, usados em sensores “wearables”, informação genômica, painel sanguíneo, e outras fontes de dados de saúde, podem orientar e otimizar a construção de planos terapêuticos individualizados pelo médico.


Os assistentes virtuais com Inteligência Artificial integrada podem auxiliar na promoção da saúde com controle dietético, monitoramento de exercício físico e prevenção de doenças. Mais importante que tudo, a tecnologia vem para liberar o médico de tarefas paralelas que consomem seu tempo, para que ele se concentre mais na conexão humana com seus pacientes.


A Organização Mundial da Saúde (OMS) em um relatório de 2018 (Xu K, Soucat A & Kutzin J et al. Public Spending on Health: A Closer Look at Global Trends. Geneva: World Health Organization; 2018) define que a cobertura universal de saúde consiste em que todas as pessoas possuam acesso aos serviços de saúde sem que isso resulte em seu comprometimento financeiro.


Neste contexto, e sabendo que no Brasil possuímos mais aparelhos celulares inteligentes (smartphones) do que habitantes, que a concentração demográfica de médicos ocorre essencialmente em áreas metropolitanas e que as informações médicas representam um grande gargalo nos cuidados com a saúde, nada mais intuitivo e inclusivo que um sistema como desenvolvemos na ehDoc®.

5 views0 comments